Temais Telecom
BAIXA RENDA

Como fica a aposentadoria do trabalhador sem carteira, última mudança da reforma

Como fica a aposentadoria do trabalhador sem carteira, última mudança da reforma

19/09/2019 14h45
Por: Fronteira Online
Fonte: GAZETA DO POVO
Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo .
Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo .

          "Uma das mudanças feitas pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-SP), relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, foi a inclusão de trabalhadores informais no texto principal da reforma. Mas somente os trabalhadores informais de baixa renda, conforme deixou claro Tasso em seu relatório apresentada nesta quinta-feira (19).

 Ele acatou uma emenda que estabelece que lei complementar deverá criar uma alíquota especial também aos trabalhadores informais de baixa renda. A alíquota, segundo Tasso, seria equivalente a cobrada hoje dos microempreendedores individuais (MEI). O impacto da medida é positivo para a economia esperada com a reforma, pois tende aumentar a arrecadação.

"Lei instituirá sistema especial de inclusão previdenciária, com alíquotas diferenciadas, para atender aos trabalhadores de baixa renda, inclusive os que se encontram em situação de informalidade, e àqueles sem renda própria que se dediquem exclusivamente ao trabalho doméstico no âmbito de sua residência, desde que pertencentes a famílias de baixa renda ”, diz a nova redação do parágrafo 12 do artigo 201.

A emenda acatada, que deu essa nova redação ao parágrafo 12 do artigo 201, foi proposta pelo senador Renan Calheiros (PT-PA) e foi incluída no texto principal da reforma. Tasso já tinha feito essa mudança no dia 4 de setembro, mas, na ocasião, acrescentou apenas as palavras "trabalhadores informais" ao artigo, o que dava a entender que qualquer pessoa sem carteira assinada teria direito à alíquota especial, o que seria uma mudança de mérito.

No texto desta quinta-feira (19), ele deixou claro que são somente os trabalhadores de baixa renda informal. Com isso, vira apenas uma emenda de redação no texto principal, sem precisar voltar à Câmara.

Antes, no texto que veio da Câmara, havia apenas a possibilidade de criação dessa lei, não a determinação: “A lei poderá instituir...”. E não havia menção aos trabalhadores informais de baixa renda, somente aos de baixa renda e aos trabalhadores domésticos de baixa renda.

O objetivo ao acolher a emenda, diz o senador Tasso em seu relatório, foi garantir a proteção previdenciária aos trabalhadores informais. “Assim, à já crônica informalidade do mercado de trabalho brasileiro somam-se novos trabalhadores que não possuem vínculos formais de trabalho, embora precisem de proteção. É o caso, por exemplo, dos milhares de jovens que fazem entregas mediante aplicativos de celular. Eles precisam ter direitos previdenciários, inclusive quanto aos benefícios não programados, de risco”, argumentou Tasso.

Contribuição vai cair para 5% do salário mínimo

Atualmente, um trabalhador informal que não é de baixa renda tem que pagar, no mínimo, 11% sobre o salário mínimo (R$ 109,78) se quiser se aposentar por idade, ou 20% sobre o salário mínimo (R$ 199,60) para quem deseja se aposentar por tempo de contribuição.

Pela nova regra, que ainda deverá ser instituída por lei, os trabalhadores informais poderão contribuir para a Previdência pagando o mesmo que pagam os microempreendedores individuais (MEIs), ou seja, 5% sobre o salário mínimo "

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.