Temais Telecom
Região

Gaeco de SC cumpre mandado de prisão em desfavor de ex prefeito de Campo Erê

​Gaeco de SC cumpre mandado de prisão em desfavor de ex prefeito de Campo Erê

10/09/2019 10h48
Por: Fronteira Online
Fonte: Compoere.com
Divulgacao
Divulgacao

O Gaeco de SC, cumpriu na tarde desta segunda feira 09, o mandado de prisão em desfavor de um ex prefeito de Campo Erê, denunciado pelo Ministério Publico do PR, por atuação em supostas irregularidades em um loteamento em Mangueirinha no PR. 

Além do Gaeco-SC, participaram das buscas aos acusados, policiais militares de Saltinho, São Miguel do Oeste, Dionisio Cerqueira e de Chapecó e de policiais civis de Maravilha.

Segundo o promotor de justiça de Mangueirinha, José de Oliveira Júnior o MP-PR, com o apoio do Núcleo de São Miguel do Oeste do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Santa Catarina e da Polícia Militar do Paraná, deflagrou a Operação Jardim Europa, com o cumprimento de mandados de prisão preventiva contra o irmão de um vereador de Mangueirinha e um empresário de Maravilha (SC). 

Um terceiro empresário, residente na mesma cidade catarinense e ex-prefeito de Campo Erê (SC), também teve expedido mandado de prisão, sendo que o ex prefeito foi detido na cidade de Flor da Serra do Sul PR e encaminhado para a cidade de Pato Branco.

Foram cumpridos ainda três mandados de busca e apreensão nas residências de um vereador, do irmão de outro vereador e de um empresário rural, todos na cidade de Mangueirinha, com a apreensão de documentos e telefones celulares.

Organização criminosa – A Promotoria de Justiça de Mangueirinha investiga um grupo que teria praticado os crimes de loteamento ilegal, extorsão, estelionato, estelionato qualificado, falsidade ideológica e organização criminosa. De acordo com as investigações, o grupo, que atuava no ramo imobiliário, teria vendido irregularmente terrenos do Loteamento Jardim Europa III, bem como registrado terrenos vendidos para vítimas em nome de terceiros (laranjas), sendo que posteriormente extorquiam as vítimas exigindo dinheiro para lavrarem escrituras públicas de compra e venda de terrenos.

Teriam sido registrados em nome de “laranjas” do estado do Rio Grande do Sul 54 terrenos, avaliados em R$ 2,7 milhões, os quais foram sequestrados pela Justiça, a pedido do Ministério Público. No âmbito cível, a Justiça determinou a indisponibilidade de bens de 11 investigados, no valor total de R$ 46 milhões.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.