Temais Telecom
CURITIBA

Polícia investiga quadrilha que faturou quase R$ 30 milhões em golpes contra idosos

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) cumpriu na manhã desta quinta-feira (15), 105 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a empresas que atuam no ramo de seguros.A Polícia Civil do Paraná (PCPR) cumpriu na manhã desta quinta-feira (15), 105 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a empresas que atuam no ramo de seguros.

15/08/2019 13h57
Por:
Fonte: PPnews
Foto PCPR
Foto PCPR

Há indícios de que os suspeitos tenham faturado cerca de R$ 30 milhões por meio de golpes praticados contra pessoas idosas. Os mandados judiciais foram cumpridos em Curitiba e Região Metropolitana (RMC). 

Cerca de 150 policiais civis cumprem buscas nos bairros Boa Vista, Barreirinha, São Loureço, Bairro Alto, Bacacheri, Juvevê, Pilarzinho, Centro, Centro Cívico, São Francisco, Rebouças, Bigorrilho, Santa Felicidade, Água Verde, Portão, Boqueirão, Xaxim, Fanny, Vila Guaíra, Guaíra, Cidade Industrial de Curitiba e Campina do Siqueira. 

Na RMC, os policiais civis cumpriram mandados nos municípios de São José dos Pinhais, Pinhais, Bocaiuva do Sul, Itaperuçu, Araucária e Fazenda Rio Grande. 

Ao todo, 29 pessoas relacionadas às empresas estão sendo investigadas. Conforme apurado, a organização criminosa fazia contato telefônico com as vítimas, na maioria, idosos aposentados. Integrante do grupo identificava-se como representante de bancos e da Paraná Previdência. Com isso, alegava a necessidade de uma atualização cadastral para pegar todos os dados das vítimas. 

Posteriormente os suspeitos iam até as residências dos idosos e os induziam a assinar diversos documentos, grande parte deles em branco, sob o pretexto de dar efetividade a atualização cadastral. 

Passados alguns meses, as vítimas se davam conta que estavam sendo descontados automaticamente valores indevidos de suas aposentadorias. Só assim percebiam que haviam sido vítimas de um golpe. 

De acordo com as investigações, que já acontecem há aproximadamente um ano, a organização criminosa pode ter feito vítimas em diversas regiões do Brasil. Com a deflagração da operação, a PCPR acredita que centenas de vítimas devem comparecer até unidades policiais registrar Boletim de Ocorrência.

Fonte PCPR

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.